Destaque na produção mundial de leite, Brasil ainda tem dificuldade para exportar

Nas últimas cinco décadas, a produção de leite no Brasil cresceu sete vezes, saltando de 5 para quase 35 bilhões de litros por ano. Apesar do país se consolidar como um dos cinco maiores produtores do mundo, esse volume é suficiente apenas para abastecer o mercado interno.

“Já fomos o terceiro maior importador do mundo e crescemos em produção via produtividade e melhoramos muito a nossa condição. Hoje a produtividade brasileira se equipara com a resultado a nível mundial, caminhando para 2.500 litros de leite vaca/ano”, comenta o técnico da Embrapa Leite, Paulo do Carmo Martins.

O volume de leite exportado, por sua vez, não chega a 1% da produção nacional. No caso do leite não é fácil conquistar novos mercados. De todo o produto produzido no mundo, no máximo, 6% é comercializado entre países.

“Abertura de mercados não é problema. Nós tivemos com a ministra Tereza Cristina a abertura de uma série de mercados para os lácteos. O problema é conseguir colocar os produtos dentro das especificações exigidas e com um preço competitivo”, analisa o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite) Geraldo Borges.

Além do custo de produção, tem também o chamado ‘custo Brasil’, que impacta no preço final. E isso vai muito além da carga tributária, uma das maiores do mundo.

“Nós pegamos o óleo diesel e a energia elétrica que vem aumentando de preço e são dois itens básicos para a produção de leite. Por outro lado, a nossa estrutura é muito ruim. Nós temos estruturas ruins de estradas, estruturas caras, tudo feito por rodovias. pontes ruins, acesso ruins”, destaca o presidente da Federação de Trabalhadores da Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag), Carlos Joel da Silva

Qualidade do leite no Brasil
Quanto a qualidade do nosso leite não é um problema, mas pode ser melhorada. Segundo o técnico da Embrapa Leite o Brasil, isso traz benefícios ao produtor. “Nós temos que ter um leite com mais sólidos. Com mais sólidos, a gente vai ter maior rentabilidade industrial e melhor condição de pagar o produtor.

Para conseguir uma maior qualidade, é preciso investir em alguns pontos importantes. “Melhoramento genético, passa por eficiência alimentar, reprodutiva e gestão. Você tem que aprender a controlar seu custo de produção, senão não há valor remunerado pela matéria prima que vai alcançar talvez a ineficiência do sistema produtivo”, diz o coordenador comercial de leite da Unium, Rogério Wolf.

Tecnologia na produtividade
A tecnologia hoje é ferramenta importante para aumentar a eficiência na cadeia leiteira, como por exemplo ações elaboradas pelas startups.

“Temos hoje tecnologias como a call medm, que é um colar permite saber o que está acontecendo com a vaca. Se ela começa a ficar muito parada ou se está caminhando muito. Se ela está ruminando pouco. Outra é o Farm que consegue ver a qualidade do leite e aí reduzir o nível de antibióticos no caso de mamite, e com isso desperdiça menos leite, diminui o uso de antibiótico. E a terceira é a volutec que acabou de entrar no mercado. Ela faz o monitoramento no tanque do leite, onde é possível ver a temperatura e a qualidade do leite, proporcionando uma condição de receber um valor melhor”, pontua o técnico da Embrapa Leite Paulo do Carmo Martins.

Novos mercados
Recentemente, a China, um dos países que mais consomem leite no mundo decidiu abrir mercado para lácteos brasileiros, o que inclui produtos como queijos.

“Temos queijos fantásticos aqui, inclusive canastra de pequenos produtores. Eu acho que é essa a linha que temos que seguir”, afirma o produtor Marcos Jank.

Para o também produtor Caio Rivetti, o caminho para a expansão de novos mercados é o foco na profissionalização. “A pecuária foi bem quando os frigoríficos se profissionalizaram, abriram mercados, abriram ações na bolsa e melhoraram a transparência. A gente olha a soja, as traders são profissionais, o produtor é parceiro da trade, ele troca insumos. Já o produtor de leite vê o laticínio como um vilão que está sendo querendo sempre roubar uma fatia dele e os laticínios também sofrem com essa situação. A gente tem que fazer um mea culpa e começar a trabalhar junto”.

Para o presidente da Abraleite, Geraldo Borges, o potencial de produção no Brasil é único no mundo. “Nós temos um diferencial aqui que outros países não têm. Nós temos condições de produzir aqui em todos os sistemas que já existem e todos os modelos intensivos e semi intensivos.

❗Vídeo publicado em 07/07/21 no programa Mercado & Companhia

✅ Gostou desse conteúdo?
✍ Deixe seu comentário
📢 Compartilhe com os amigos
✔ Siga o Canal Rural nas redes sociais:
Siga o Canal Rural nas redes sociais e receba conteúdos exclusivos:
Facebook: https://www.facebook.com/canalrural/
Instagram: https://www.instagram.com/canalrural/
Twitter: https://twitter.com/canalrural
LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/canalrural/

#leite #pecuária #agro

You May Also Like